Gestão

Leia em 5 minutos

Como a Janela de Johari pode ajudar nos feedbacks A Janela de Johari é uma excelente aliada na hora de dar feedback. Leia nosso post e entenda mais!

Por Francesca Rodrigues

AsseInfo - Facil 123

O feedback é muito importante para a formação da autoimagem do indivíduo.

A Janela de Johari é um dos instrumentos que permite analisar como as pessoas se relacionam com as outras e consigo mesma.

Só assim é possível dar e receber um feedback efetivo.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue lendo nosso artigo!

O que é a Janela de Johari?

Que tal assistir nosso vídeo sobre o assunto?

A Janela de Johari foi criada em 1965 pelos psicólogos americanos Joseph Luth e Harrington Ingham.

O nome Johari deriva da junção do início dos dois sobrenomes.

Esses dois psicólogos começaram a observar que quando os indivíduos estavam em grupo se comportavam de maneira estranha.

Luth e Ingham buscavam, então, formas de aprimorar a comunicação desses indivíduos.

Então, eles criaram um modelo conceitual, a Janela de Johari.

Nesse modelo, o eu é dividido em quatro partes:

  • Eu público,
  • Eu cego,
  • Eu secreto,
  • Eu desconhecido.

É bem comum encontrar, na literatura, várias nomenclaturas diferentes. Mas, todas elas se referem ao mesmo conceito da Janela de Johari.

Vamos aprofundar sobre cada um deles:

Eu público

De todos os quadrantes, o eu público é o mais fácil de ser compreendido.

É aquilo que os outros vêem como você é e que você tem total compreensão de como você é.

Imagine, por exemplo, que você se imagina sendo um bom ouvinte e os outros também te vêem como um bom ouvinte.

Então, não tem engano. O indivíduo sabe exatamente onde ele está perante ao público que ele tem.

Eu cego

Depois a gente tem o eu cego.

Ele fica no campo do eu desconheço, porém o outro conhece.

Aqui entra o que você não sabe e ninguém te conta.

Um exemplo seria de uma pessoa que age sempre de forma nervosa, mas que não consegue perceber isso.

São as peculiaridades que os outros identificam em nós e nós não enxergamos, por isso, o eu cego.

Eu secreto

Nesse quadrante entram todas as características e sentimentos que o outro desconhece sobre mim, mas que você conhece.

É aquilo que, deliberadamente, você decide não contar para ninguém ou então o tempo de convivência é muito pequeno para aquela verdade aparecer.

É normal que quando você conheça alguém por mais tempo você descubra mais coisas sobre a pessoa.

Eu desconhecido

O último eu é o eu desconhecido: o que o outro desconhece e eu também desconheço.

Nesse quadrante aparecem as aptidões ou sentimentos que ainda não se manifestaram.

Há uma metáfora muito utilizada sobre o eu desconhecido: é uma semente pronta para ser germinada assim que as condições para germinação aparecerem.

Imagine que você tem um talento que ninguém sabe, nem você.

Um dia uma outra pessoa que também não sabia do seu talento, que no nosso exemplo vai ser a música, coloca nas suas mãos um violão.

E você percebeu que tem um ritmo muito bom e que realmente se interessa por música.

Ou seja, a condição estava propícia para que seu talento aparecesse.

Note que a partir desse momento esse seu talento deixou de ser um eu desconhecido para ser um eu público.

Qual o melhor cenário da Janela de Johari?

Agora que você já conhece a janela e todos os quadrantes, você pode estar se perguntando o que fazer com esses dados.

O segredo é tentar aumentar o eu público.

Quanto maior for a situação onde você se conhece de verdade e a pessoa que você se relaciona também te conhece de verdade, menos dor de cabeça se tem no processo.

Com essa mudança terão menos mal entendidos, você terá uma visão bem real de quem você realmente é e a outra pessoa terá uma visão real do que espera de você.

E como fazer isso?

Para se conseguir atingir um maior eu público o feedback é uma peça fundamental.

Não adianta de nada você ter a oportunidade de dar um feedback para uma pessoa e naquele momento, talvez por receio ou até mesmo comodismo, preferir não fazer nada.

Nesse momento a autoimagem dela está distorcida. Ela não sabe realmente como ela é.

Se você pensar na sua infância ou adolescência verá que seus pais são excelentes propagadoras de feedback.

Ao fazer alguma coisa errada, comumente, eles repreendem. Logo, você sabia que aquela determinada ação não poderia ser feita novamente porque teve um feedback.

A mesma coisa acontece para os feedbacks positivos.

Quando você fazia algo legal para suas possibilidades e até mesmo idade, seus pais provavelmente o elogiavam. Então, como o comportamento foi reforçado positivamente, tende a ser repetido.

Voltando ao eu público: a Janela de Johari tem sempre a mesma dimensão ao total. Então, para que você o faça crescer, precisa agir para que os outros diminuam.

Logo, para fazer isso você precisa diminuir o seu eu cego e eu secreto.

Se as pessoas dizem para você a verdade em relação ao que elas enxergam, aquelas coisas que você não conhece sobre você, o eu cego, passam a ser do eu público.

A mesma coisa acontece com o eu secreto: se você sabe alguma coisa que o outro não sabe e você tem a possibilidade de torná-la pública, não terá mais distorções nessa situação e o seu eu público também aumenta.

O eu desconhecido não tem muito o que fazer para diminuí-lo com o processo de feedback. Existem outros meios, mas esse não é o foco do nosso post hoje. 😊

No final de toda essa história, a sua Janela de Johari estará assim:

Para finalizar…

Para terminar nosso post de hoje queremos deixar um recado muito importante:

Tente ser honesto nos feedbacks que você dá. Assim você colabora diretamente com a formação da autoimagem de quem convive com você.

A pessoa precisa saber a maneira na qual você a enxerga que não necessariamente é a verdade.

Só tome cuidado: isso não quer dizer que você precisa ser uma pessoa rude.

Seja também receptivo com os feedbacks dados a você. Se aproprie daquilo que faz sentido pra você e o resto deixe passar.

Quer saber como dar um feedback de verdade? Confira nossas dicas nesse post!



AsseInfo - Facil 123